de ~Cabeças e outros poemas~

outubro 26, 2009 § Deixe um comentário

Um ruído abriu a terra. Havíamos pisado em algum nervo até produzir a dor, que é sempre lacerante. Assim foi nosso afeto: meses inteiros sem que a agulha do relógio girasse, sem que nenhum rótulo marcasse nossas(s) vida(s). Ali não havia rostos; tudo era molecular e fragmentado. Ouvíamos a música do porco, pontual, ainda que inexata.

[ARMAS, Pedro Marqués de[

Anúncios

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com Pedro Marqués de Armas em Manter em cárceres privados..