Umas e Outras [todas, todas as outras]

dezembro 13, 2009 § 1 comentário

completa, aqui.

com açúcar, com afeto

junho 8, 2009 § 2 Comentários

 

sua vida:

– chega a morte bem mais pra mim do que pra você 

nosso encontro:

– única, só sua distância.

meu prazer:

– saber que é sozinha. nunca com alguém, mesmo em multidões.

 

O primeiro me chegou como quem vem do florista
Trouxe um bicho de pelúcia, trouxe um broche de ametista
Me contou suas viagens e as vantagens que ele tinha
Me mostrou o seu relógio, me chamava de rainha
Me encontrou tão desarmada que tocou meu coração
Mas não me negava nada, e, assustada, eu disse não

O segundo me chegou como quem chega do bar
Trouxe um litro de aguardente tão amarga de tragar
Indagou o meu passado e cheirou minha comida
Vasculhou minha gaveta me chamava de perdida
Me encontrou tão desarmada que arranhou meu coração
Mas não me entregava nada, e, assustada, eu disse não

O terceiro me chegou como quem chega do nada
Ele não me trouxe nada também nada perguntou
Mal sei como ele se chama mas entendo o que ele quer
Se deitou na minha cama e me chama de mulher
Foi chegando sorrateiro e antes que eu dissesse não
Se instalou feito posseiro, dentro do meu coração

                                                                               [BUARQUE, Chico[ – Teresinha

 

/obsessivamente doentio; tripé da gente, do mundo, de todo mundo

Onde estou?

Você está navegando em publicações marcadas com Chico Buarque em Manter em cárceres privados..